Carregando... Carregando...
 
Busca Simples

Trabalho inédito voltado para o setor têxtil é discutido em reunião na Fundacentro

Da esq.p/dir.: Milene Rodrigues, Ricardo Serrano e Erika Benevides

Além do setor têxtil, relatório preliminar técnico para melhoria das condições de trabalho, inclui os setores do vestuário, couro e calçados

Por Fundacentro/ACS-Editado por Alexandra Rinaldi, com informações de Ricardo Serrano em 11/06/2019

Na manhã de 23 de maio, o tecnologista e servidor, Ricardo Costa Serrano e a coordenadora de Diagnósticos e Prospecções, Erika Benevides, receberam na Fundacentro, a Secretária Nacional de Saúde, Segurança e Meio Ambiente do Trabalho da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias do Setor Têxtil, Vestuário, Couro e Calçados (Conaccovest), Milene Rodrigues.

A visita da secretária à instituição foi para discutir a continuidade dos trabalhos desenvolvidos na ação conjunta entre a Conaccovest e a Fundacentro, que vem sendo realizados desde 2002, com destaque nos ambientes de trabalho das costureiras das indústrias e de outros postos do setor de produção.

Atualmente, a Conaccovest e a Fundacentro estão desenvolvendo novos protótipos de tampos de máquinas utilizados para a costura de peças grandes, como edredom, lençol e cobre leito, bem como desenvolvendo novo designer do posto de trabalho, com objetivo de prevenir adoecimentos dos trabalhadores desse segmento.

O relatório aponta que as causas que mais frequentemente incapacitam os trabalhadores (as) de continuar no trabalho e exercer a função, mesmo que temporariamente, são dores lombares; lesão no ombro; tendinites; dor nas articulações; dor nas costas; lesão nos joelhos; depressão; hérnia de disco; varizes nas pernas e outros. “As peças são grandes, volumosas e pesadas, nesse sentido é fundamental que esses ambientes tenham um mobiliário adequado para o desenvolvimento das atividades das costureiras”, salienta Ricardo Serrano.

Os especialistas das instituições e a participação voluntária de Claudia Ollay (fisioterapeuta do trabalho e ergonomista) e do professor Flavio Kanazawa (engenheiro mecânico e de Segurança do Trabalho), realizaram pesquisa e entrevistas com trabalhadores “in loco” e emitiram análise ergonômica do trabalho relacionada aos postos das costureiras.

Protótipos beneficiam trabalhadores

A realização deste trabalho pode trazer benefícios aos trabalhadores, às empresas e ao governo, na diminuição do número de afastamentos, e consequentemente, menor geração de gastos com a Previdência Social.

Dados oficiais da Previdência Social de 2016 mostraram que as dores lombares englobaram o maior motivo de ausências no trabalho e atestados a cada cinco minutos, sendo que no primeiro trimestre do mesmo ano, foram registrados 24 mil afastamentos. Já, os planos de saúde indicam um número de 52% relacionados a problemas de dores nas costas.

Além da mudança do mobiliário recomendada e projetada por Serrano, o estudo e análise ergonômica do trabalho incluem recomendações de implantações de outras soluções.

“Está comprovado que o esforço físico compromete os membros superiores das profissionais, que se queixam de dores nos mesmos, apresentam lombalgias, ou seja, distúrbios músculos-esqueléticos e que o setor de costura destas indústrias registram 60% de reclamações de dores durante a jornada de trabalho”, ressalta Milene Rodrigues. Além disso, a postura inadequada na qual ficam ao executar a tarefa desenvolve cifose, ou seja, um aumento anormal da curva lombar, complementa a secretária da Conaccovest.

Durante a reunião, os especialistas da Fundacentro ressaltaram a importância da instituição em dar continuidade aos estudos. Para eles, é imprescindível que a instituição continue e aprimore os estudos em benefício de um ambiente saudável para as trabalhadoras e trabalhadores das indústrias dos setores de vestuário, couro e calçados.

A Fundacentro foi responsável por desenvolver protótipos de cadeiras ergonômicas e inovações para diversos tipos de máquinas de costura, bem como de bancada para auxiliar de produção.

Muitos desses protótipos já foram implantados em alguns setores das indústrias em nível nacional, beneficiando diretamente mais de 700 mil trabalhadores.

Outro destaque quanto ao reconhecimento da importância dos protótipos foi a concessão de quatro patentes de design industrial, como tampo da mesa de costura, mesa auxiliar, pedal móvel e iluminação em LED, concedida pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).

Compartilhar:

Recomendar Notícia

Recomendar Notícia

É obrigatório o preenchimento dos campos com *

Dados remetente

Dados destinatario

Máximo de 1500 caracteres. Quantidade de caracteres digitados:

Confirmação dos dados - Recomendar essa Notícia

Dados confirmação
Recomendar para outro destinatário

FUNDACENTRO - Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho.
Sede: Rua Capote Valente, Nº 710 - CEP: 05409-002 - SÃO PAULO-SP - BRASIL - CAIXA POSTAL: 11.484 / CEP: 05422-970
Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial sem a permissão da Instituição.